sexta-feira, 12 de agosto de 2022

E3127357-0E48-459B-9B82-260397B14971

Marcella Magalhães
Única News

Foto: Divulgação

image

Moradores de Cuiabá com viagem marcada para o exterior que ainda não completaram o esquema vacinal contra a Covid-19, ou ainda não tomaram a terceira dose, podem antecipar a segunda dose ou a dose de reforço após avaliação feita pela Secretaria Municipal de Saúde da Capital.

A coordenadora da campanha de vacinação contra Covid-19, Valéria de Oliveira, explicou ao Única Newsnesta quinta-feira (13) que os pedidos para antecipação da vacina aos viajantes devem ser feitos através de e-mail: imunizacaocovid@gmail.

“Os viajantes devem encaminhar via e-mail os documentos pessoais e a passagem em seu nome e o destino para ser avaliado. Não são todos os pedidos liberados, pois tem caso de pessoas que acabaram de tomar a segunda vacina e querem tomar a dose de reforço para viajar. Mas respondemos no máximo em 48 horas se a pessoa está ou não habilitada para tomar a vacina”.

Valéria ainda disse que após liberação, a pessoa pode dirigir-se a qualquer unidade de saúde com a comprovação da liberação feita para tomar a dose antes de viajar. A coordenadora ainda ressaltou que a vacina leva, em média, 14 dias para fazer efeito no organismo, mas fica a critério de quem vacinou a decisão de aguardar ou não para seguir viagem.

Aval do Ministério da Saúde

De acordo com as novas normas do Ministério da Saúde, com orientações e recomendações aos viajantes que partem do Brasil para outros países, os cidadãos com viagens internacionais marcadas poderão completar o esquema vacinal em um menor espaço de tempo e reduzindo assim o intervalo entre as doses das vacinas Covid-19.

A determinação está em uma nota técnica publicada pela Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 (SeCovid). A recomendação da Pasta é que seja respeitado o intervalo mínimo de 21 dias para a vacina da Pfizer/Wyeth e 28 dias para a vacina AstraZeneca/Fiocruz.

Além da redução do intervalo dos imunizantes, o Ministério ainda permitiu que viajantes vacinados com as duas doses da Coronavac com passagens para países que não possuem autorização para esse imunizante, poderão receber uma terceira dose de outro imunizante aceito pelo país de destino. Nesse caso, o intervalo mínimo entre a série primária de vacinação e a terceira dose do outro imunizante será de 28 dias.

Mas as unidades da Federação e os Municípios deverão avaliar as situações individualmente com intuito de encontrarem o melhor esquema vacinal, de acordo com a disponibilidade de vacinas. As medidas também devem garantir a proteção e segurança para a população. Os métodos para comprovação da natureza da viagem ficarão a critério dos entes federados.