terça-feira, 09 de agosto de 2022

e78e91f82f3ee3b15e108ee9a0a32fbc

Diante da pouca possibilidade de diálogo e negociação com as plataformas, os motoristas de aplicativo que atuam em Mato Grosso articulam a criação de uma cooperativa, com o objetivo resgatar garantias básicas que foram perdidas na relação com as grandes empresas. Uma delas é a recomposição da renda.

Segundo o presidente da Associação de Motoristas por Aplicativo de Mato Grosso (AMA-MT), Cleber Cardoso, a abertura da cooperativa deve ocorrer até janeiro de 2022.

“Não adianta você fingir que está trabalhando para ganhar o sustento da família, pois, no final das contas, quando encerrar o dia ou a madrugada, você percebe que não leva nada para casa. Aliás, leva sim um carro destroçado e muitas dívidas para pagar. Isso não é hipocrisia, é o que de fato está acontecendo”, desabafa Cleber, que também atua como motorista de aplicativo.

A falta ou precária comunicação entre os trabalhadores autônomos e as plataformas de mobilidade tem empurrado ainda mais para o fim dessa relação.

“Não estamos dando conta de falar com elas. Então estamos enchendo o Procon de denúncia, o Ministério do Trabalho, e os próprios Fóruns de processos contra eles. Vamos fazer isso incansavelmente, enquanto montamos as cooperativas regionais. A saída que encontramos para que o motorista tenha um ganho justo para sobreviver e possamos dar a assistência que a população precisa”, garante Cleber.

A cooperativa, idealizada a partir da associação, está nos ajustes finais para a abertura. A intenção é garantir ganho justo aos motoristas, reduzir a informalidade, dar mais segurança e prestar serviço direcionado ao perfil dos usuários de Mato Grosso.

“A cooperativa deve abrir em janeiro do ano que vem, pois o processo exige um pouco de esforço de cada motorista: cada um tem que entrar com uma participação para ter disponibilidade”, antecipa o presidente da Ama. Segundo ele, a intenção do grupo também visa fomentar o turismo regional. “O transporte executivo permitiria rodar não só no Centro da cidade, mas viajar para outras cidades e pontos turísticos em Manso, Chapada dos Guimarães e Nobres”, finaliza.

Fonte: O Estadão