terça-feira, 09 de agosto de 2022

B7CA4F1E-AF41-457E-B9F6-B512DB86BC7C

Os prefeitos de Cuiabá e Várzea Grande terão que reorganizar os staffs nos próximos meses, isso porque alguns secretários das duas cidades pretendem concorrer nas eleições deste ano. Com a federação partidária, que extinguiu as coligações, as siglas estão convocando seus membros para concorrer e garantir a vaga de quem conseguir bom desempenho sem depender de puxadores de votos de outros partidos.

Da Prefeitura de Cuiabá, o secretário de Limpeza Urbana de Cuiabá, Vanderlúcio Rodrigues (PP), vai entrar na disputa rumo à Assembleia Legislativa. Ele dividirá espaço na chapa com o secretário de Governo de Cuiabá, Luís Cláudio, do mesmo partido. Luís era vereador e líder do prefeito no último mandato da Câmara Municipal e mesmo conseguindo 3.001 votos em busca da reeleição, seu partido conseguiu eleger apenas um vereador na contagem final.

Pelo PTC, o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano de Cuiabá e presidente do Crea-MT, Juarez Samaniego,
também vai disputar uma vaga na Assembleia, assim como a secretária municipal de Educação, Edilene de Souza Machado. Outro nome que coligação proporcional na eleição municipal, os partidos tiveram que repensar a montagem das chapas e
buscar aqueles candidatos “bom de voto” para garantir que algum nome fosse eleito. A chamada coligação agora só é permitida para disputas majoritárias.

 

Na Capital e municípios maiores, as legendas têm convocado todos os candidatos da eleição que obtiveram mais de mil votos em 2020. Nos municípios menores, candidatos que tiveram acima de 500 votos estão sendo convocados também. Uma chapa de candidatos de partido ou federação na disputa dos cargos de deputado estadual poderá ser composta, no máximo, com 25 pessoas (24 vagas + 1), ou seja, 18 candidatos homens e 7 mulheres, respectivamente, uma chapa que dispute os cargos de deputado federal tem um teto de 9 pessoas (8 vagas + 1), ou seja, 6 homens e 3 mulheres ou vice e versa.

Em Várzea Grande, o prefeito Kalil Baracat (MDB) também deve ter desfalque no secretariado. Nos bastidores comenta-se que o MDB pressiona o secretário de Saúde, Gonçalo Barros, que ganhou visibilidade na pasta, principalmente com a questão sanitária, é considerado um dos melhores quadros do partido para deputado estadual.

O secretário de Educação, Cultura, Esporte e Lazer de Várzea Grande, Silvio Fidelis almeja candidatura a deputado federal.
Sem partido após atritos na eleição municipal onde acabou saindo do PTB, ele poderá disputar pelo DEM. O vice-prefeito José Hazama nega disputa, mas o DEM elegeu apenas dois deputados estaduais em 2018 e vai precisar de nomes, o que faz do vice um propenso candidato.

No staff estadual, o secretário de Saúde, Gilberto Figueiredo, o secretário de Cultura, Esportes e Lazer, Alberto Machado, o Beto 2 a 1, ambos do DEM, o secretário de Agricultura Familiar, Silvano do Amaral (MDB) e o presidente do MT PAR, Wener Santos (PP), são cotados para a disputa eleitoral de 2022.

Por enquanto dois nomes estão sendo cogitados em Várzea Grande, ambos do DEM, Fábio Tardin o atual presidente da Câmara Municipal e o vereador Pablo Pereira para concorrer a deputado estadual. Do PP é estudado o nome do vereador
Enfermeiro Emerson. Com Neri Geller na disputa ao Senado, a legenda precisará de candidatos para conseguir ocupar a vaga que o atual deputado federal vai deixar livre.

O vereador Ícaro Reveles, que obteve 20.721 votos na eleição de 2018 para deputado federal e não foi eleito, é tido como um nome forte do PDT para reforçar a chapa. O vereador de Várzea Grande e presidente da União das Câmaras Municipais de Mato Grosso (Ucmmat), Bruno Rios (PSB), já confirmou a intenção de buscar uma vaga na Câmara Federal também.

 

fonte Gazeta