sexta-feira, 12 de agosto de 2022

a8e26885e0421f0257ee9582cf48fb44

O boletim analisa a ocorrência de casos de Covid-19 relacionados ao trabalho no município de Cuiabá no período de março a dezembro de 2020

Esta edição do Boletim Epidemiológico da Saúde do Trabalhador teve como objetivo analisar quantitativamente os casos da Covid-19 relacionados ao trabalho no município de Cuiabá – Mato Grosso, no período de março a dezembro do ano de 2020. Os dados apresentados foram no  INDICASUS-MT, na variável ‘‘ocupação’’, tais como: Sexo; Raça/Cor; Ocupação profissional; Óbito: segundo sexo; segundo raça/cor; segundo ocupação profissional, contemplando a  Portaria 1823 de 2012, que instituiu a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora, considera-se a priorização de ações para trabalhadores em situações de maior vulnerabilidade, entre eles, os inseridos em atividades de maior risco para a saúde.

A Covid-19 é uma doença causada pelo Novo Coronavírus, denominado SARS-CoV-2, relatado em 31 de dezembro de 2019 em Wuhan, China. A Organização Mundial de Saúde (OMS) confirmou sua circulação em 9 de janeiro de 2020 e em 30 de janeiro de 2020 foi declarada pandemia, ou seja, uma emergência de saúde pública de interesse internacional (ESPII). No Brasil, no dia 07 de fevereiro havia 9 casos em investigação; (LANA, et al., 2020),

De acordo com a OMS, estima-se que 80% dos casos de Covid-19 podem ser assintomáticos ou oligossintomáticos (com poucos sintomas) e aproximadamente 20% dos casos requerem atendimento hospitalar devido à dificuldade respiratória.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) atribui ao município de Cuiabá em 2020 uma população estimada de 618.124 habitantes. O número de casos confirmados até 30 de dezembro de 2020 foi de 48.311, sendo 7.827 casos em profissionais, apenas 2.608 casos (33,32%) com ocupação profissional preenchido. Nesse sentido, é importante ressaltar a informação sobre ocupação ao profissional, pois da forma como encontramos a discrepância entre as fontes de dados dificulta a análise.

Do total de 2.608 notificações, quanto ao sexo dos trabalhadores notificados, no ano de 2020, 1.976 casos acometeram pessoas do sexo feminino (75,8%). Diante desse achado, acredita-se que o sexo feminino ainda ocupa em predominância os cargos/funções na saúde, sendo, portanto, mais vulneráveis

Quanto à raça/cor, ressalta-se que do total de notificações (2.608) 197 não foram preenchidas (7,55%), embora a raça branca com 29,10% das notificações.  Observa-se que entre os indígenas houve um caso em uma profissional da saúde (biomédica), ou seja, evidencia-se o início gradual da inserção dos profissionais nesse mercado de trabalho.

Dentre os profissionais de saúde mais acometidos pela Covid-19 em 2020, os técnicos/auxiliares de enfermagem lideraram, com 666 casos (25,53%), seguido de enfermeiro 498 (19,1%) e médico com 14,11%. Dado o alto índice de contágio, os profissionais de saúde estão mais expostos em seu ambiente de trabalho, ressaltando que os técnicos ou auxiliares de enfermagem foram os mais acometidos em virtude de apresentar a maior quantidade de profissionais em atuação ou pela maior proximidade na lida com o paciente.

Ademais, dos profissionais contaminados pelo Covid-19, os mais afetados foram técnico ou auxiliar de enfermagem (n=6), enfermeiro (n=6) e médico (n=7), sendo as três ocupações mais contaminadas as que mais sofreram casos de óbito. Embora outros profissionais tenham desenvolvido a doença, as mais afetadas se mantém segundo o acima exposto.

A situação do Covid-19 nos profissionais de saúde representa maior risco no exercício de suas funções. Sendo assim, deve-se fortalecer a Vigilância em Saúde do Trabalhador (VISAT), a que visa dentre outras ações a realização da análise da situação de saúde dos trabalhadores para intervenção nos processos e ambientes de trabalho de forma a garantir sua saúde e direitos. Para tal é notória a integração da Vigilância em Saúde do Trabalhador sob os aspectos institucional e interinstitucional, já que um trabalhador constitui o patrimônio laboral de uma instituição, seja na esfera pública ou privada. A completitude no preenchimento das notificações é fato gerador de análises errôneas, que impedem a demonstração aos vários segmentos da sociedade da importância do trabalho e de quem o executa.