terça-feira, 09 de agosto de 2022

C3F8B26E-7E1E-448E-8854-F43FD84945B2

Marcella Magalhães
Única News

Foto: Polícia Federal

image

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quinta-feira (03), duas operações para desarticular uma suposta organização criminosa suspeita de lavar R$ 4 bilhões do dinheiro do tráfico de drogas e outros crimes. No total, são 19 mandados de prisão e 39 de busca e apreensão em Mato Grosso e em outros cinco estados brasileiros, mas também existem ordens judiciais expedidas no Paraguai, mas dois desses alvos estão em Cuiabá.

A operação é uma ação direta contra a organização criminosa construída e mantida pelo um dos líderes do tráfico da América do Sul, Luiz Carlos da Rocha, conhecido como o ‘Cabeça Branca’, preso em 2017 em Sorriso (420 km de Cuiabá).

Durante a investigação, foi identificada uma movimentação de R$ 4 bilhões por empresas controladas de forma direta ou indireta pelos investigados. Durante o processo, foram apreendidos R$ 12 milhões em espécie.

Dessa vez, na Sucessão, o alvo foram os familiares do Cabeça Branca. A investigação da PF aponta que eles estavam auxiliando a lavagem do dinheiro que vinha do tráfico de droga.

A outra operação recebeu o nome de Fluxo Capital e investiga um grupo suspeito de  lavar dinheiro e movimentar milhões de reais usando laranjas, empresas de fachada e contadores.

Durante a investigação, os agentes apuraram que o controle das operações de dinheiro era feito por donos de casas de câmbio, no país vizinho, Paraguai.

A Polícia informou que as ordens de prisão são temporárias. Além disso, a Justiça também determinou o sequestro de imóveis, bloqueio de valores em contas bancárias e suspensão das atividades de empresas e licenças profissionais de contadores investigados.

A ação está sendo coordenada pela delegacia de Londrina, no norte do Paraná.