terça-feira, 16 de agosto de 2022

57EB4F48-E67B-4AFC-82C5-0CB31FA140C8

A ex-prefeita de Várzea Grande, Lucimar Sacre de Campos, atualmente filiada no União Brasil, foi apontada como opção para compor uma possível chapa com o senador Wellington Fagundes (PL) caso ele aceite ser candidato a governador de Mato Grosso nas eleições deste ano.

Atualmente a ex-prefeita está se dedicando aos trabalhos no Instituto Jayminho, em Várzea Grande, e “cuidando dos netos”, como diz seu esposo, senador Jayme Campos (UB). Mas, em recente reunião em Brasília com o grupo “pró-Wellington”, o nome de Lucimar ganhou força e até aval de seu marido.

Segundo uma fonte ligada ao grupo, Lucimar foi citada como o melhor nome para vice, já que é mulher com trabalho prestado na região metropolitana de Cuiabá e tem boa entrada com os setores comerciais e comunitários da baixada cuiabana. Além disso, goza do prestígio de ser ex-primeira-dama do Estado e ex-prefeita da segunda maior cidade de Mato Grosso por duas vezes.

Inclusive, ao ouvir o nome da esposa ser citado na reunião, o senador Jayme Campos disse que é favorável à hipótese, caso não surja nenhum outro nome de expressão no grupo, de acordo com fonte presente no encontro.

A possível composição de chapa foi levantada justamente porque o senador Wellington ouviu do presidente Jair Bolsonaro (PL) que é importante para o partido ter candidatura em Mato Grosso e que as últimas avaliações davam como possível uma eventual vitória de Wellington.
Por enquanto, Wellington ainda não decidiu o futuro. O que ele declara em seus discursos é que é candidato natural à reeleição ao Senado. Quanto a Lucimar, Jayme Campos continua a dizer que ela não é candidata a nada. Nos bastidores, Lucimar é vista como vice em caso de necessidade.

Um entrave para a possível composição está no fato de a ex-prefeita de Várzea Grande ser filiada ao mesmo partido de Mauro Mendes e Jayme Campos. Em outros momentos, no entanto, o senador já disse que se for preciso ele até se licencia do partido para poder apoiar outro projeto político para o estado, porque, na ocasião, não se sentia respeitado e nem ouvido dentro da atual gestão.

Vale lembrar que na eleição suplementar ao Senado em 2020, Jayme e Mauro estiveram em palanques diferentes, com o governador apoiando Carlos Fávaro (PSD) e Jayme ao lado de Nilson Leitão (PSDB), inclusive com Júlio Campos como suplente na chapa tucana.

fonte: https://olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?id=500559&noticia=grupo-pro-wellington-defende-lucimar-campos-como-vice-em-eventual-chapa-ao-paiaguas