sexta-feira, 12 de agosto de 2022

1C4F6B05-CB0A-4C70-B7D8-23B91C9B64B2

Produtores também fizeram protesto nesta segunda-feira (3) e distribuíram espetinho para a população, na porta das agências Bradesco em todo o Brasil

 

O grupo de leilões Estância Bahia e produtores rurais de Mato Grosso, a exemplo de fazendeiros de outros estados, tomaram a iniciativa de repudiar o Banco Bradesco, em razão de uma propaganda que ataca o agronegócio, por meio de um boicote.

Por meio de um comunicado, a empresa, que começou com leilões de gado no interior do Estado, comunicou o fechamento de contas bancárias na instituição após 40 anos de relacionamento.

“Em respeito a pecuária brasileira e indignados com o ato de insanidade do Bradesco, que viola os nossos mais de 40 anos de relacionamento bancário, retiramos 100% de nossa movimentação financeira do Instituição. Um ataque desnecessário que trabalha contra o setor que alimenta o mundo e movimenta a economia brasileira”, informou a Estância Bahia.

 

Além da empresa de leilões, diversos produtores rurais de Mato Grosso também teriam aderido ao boicote mais radical, optando pelo fechamento das contas na instituição.

Leia mais – “É má-fé para quebrar o agronegócio”, afirma Cattani sobre Bradesco

 

“Estava tendo uma pressão grande dos pecuaristas para que as entidades tomassem um posicionamento, e sabemos que vários produtores já fizeram isso. Empresas ligadas ao agro também tomaram essa posição, e isso ocorre no contexto nacional, mas também estadual”, comentou o diretor do Sindicato Rural de Cuiabá, Jorge Antônio Pires de Miranda.

O diretor da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Francisco Manzi, confirmou que alguns produtores tomaram a decisão, mas ressaltou que se tratou de uma escolha pessoal e não institucional. Ele ainda disse que a Acrimat não tem conta no Bradesco e respeita a instituição, embora a propaganda tenha sido uma “má ideia”.

Propaganda x discurso errado

No dia 23 de dezembro, passou a ser veiculada nas redes sociais uma propaganda na qual três influencers digitais comentavam formas de auxiliar na redução do efeito estufa e aquecimento global. A primeira delas seria a redução do consumo de carne, visto que, segundo elas, o gado é um dos principais causadores do gás metano.

A propaganda não repercutiu bem entre a classe produtora, que afirmou que o discurso passa informação errônea e sem explicação à população, apenas com o intuito de destruir o agronegócio.

“A gente entende que algumas pessoas possam não querer comer carne, isso é uma decisão de cada um, mas a gente entende que a propaganda da segunda sem carne, com intuito de achar que com isso vai ajudar o planeta, não concordamos de jeito nenhum. Sabemos que os bovinos emitem o gás metano, mas infinitamente menos do que os lixões, a indústria, muito menos CO2 do que os automóveis. Então, foi um protesto”, colocou o diretor da Acrimat.

Manzi destacou que os produtores ficaram incomodados com a propaganda negativa e, por isso, se organizaram para, nesta segunda-feira (3), fazerem um protesto em frente às agências do Bradesco em Mato Grosso.

Em Cuiabá, a movimentação ocorreu na agência localizada na rua Barão de Melgaço, no centro da cidade. Lá, representantes e produtores rurais assaram churrasco e distribuíram espetinho para quem passava pelo local.

Conforme o representante do Sindicato Rural, Jorge Pires, além de Cuiabá, diversas cidades do interior também registraram a manifestação, dentre elas Rondonópolis, Barra do Garças, Juara, Cáceres e Araputanga.

 

Fonte: Repórter MT