sexta-feira, 12 de agosto de 2022

_RFP4625

Pocha e Guilhermina, as duas novas elefantes que o Santuário dos Elefantes, em Chapada dos Guimarães (a 60 km de Cuiabá), irá receber estão no processo de adaptação às caixas de transporte. Enquanto Pocha aceita entrar tranquilamente no compartimento, Guilhermina é mais “cautelosa”, mas na última segunda-feira (30) conseguiu dormir parcialmente dentro. Os animais seguem sem previsão de mudança.

“Ontem à noite, Pocha continuou a entrar facilmente nas caixas e Guille começou a segui-la, relaxando no processo. Tarde da noite, as duas estavam confortáveis o suficiente para tirar uma soneca em pé com Pocha na primeira caixa e Guille na metade da segunda. Essa demonstração de conforto foi tudo que precisávamos ver para saber que, com um pouco mais de tempo e um pouco mais de confiança, as meninas ficarão bem”, disse a instituição nas redes sociais.

Os animais estão em Mendoza, na Argentina e, apesar dos pequenos avanços, ainda não há previsão de quando o transporte para Chapada dos Guimarães será realizado. “Não temos um prazo específico para sua mudança. Mas esperamos que dentro de algumas semanas, Pocha e Guillermina apresentem uma tranquilidade que faça com que todos se sintam confortáveis para dar os próximos passos”.

Bambi

O último elefante a chegar no Santuário foi Bambi, em setembro de 2020. O anúncio de chegada foi feito por uma transmissão ao vivo no Facebook do Santuário dos Elefantes Brasil. No vídeo, é mostrado desde o momento que o compartimento de transporte é descarregado do caminhão com um guindaste até a soltura de Bambi.

O animal saiu de Ribeirão Preto e foi escoltado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a cada três horas foi feita uma parada. “Bambi comeu e descansou durante a noite passada. Seu comportamento é exatamente o que esperávamos de um elefante em seu primeiro dia de viagem. Estamos lhe dando todo o apoio e suporte necessários. Ela responde muito bem quando estamos junto a ela”, revelou a entidade.

Inicialmente, o animal não se adaptou bem ao compartimento de transporte. Segundo técnicos do Santuário e do zoológico municipal, Bambi apresentou resistência no momento em que a porta do compartimento especial foi fechada. O animal precisou ficar contido no local durante todo o trajeto de 1.270 quilômetros. Para o percurso, a caixa será colocada por um guindaste sobre um caminhão.