sexta-feira, 12 de agosto de 2022

D7B30E7A-8D9B-4308-A463-B774AB690E34

Com uma doença autoimune, ele se vacinou cinco vezes, mas ainda assim seu corpo não produz anticorpos

Simcha Neumark, brasileiro foi o 1º infectado com Covid de Israel a paxlovid, receber pílula da Pfizer — Foto: Montagem/Reprodução LinkedIn

 

O brasileiro israelense Simcha Neumark, de 33 anos, foi o primeiro paciente de Covid-19 a receber a pílula da Pfizer contra a doença em Israel, o Paxlovid.

Neumark afirma que tomou cinco doses da vacina, mas como tem uma doença autoimune, seu corpo não desenvolveu anticorpos contra o vírus.

“Eu peguei (Covid) aqui em Jerusalém. Eu me cuido muito, não sei como peguei. No sábado, fiquei com febre alta e dor de garganta”, disse ele em entrevista à GloboNews nesta quarta

Brasileiro é o 1º infectado a receber pílula contra Covid em Israel: ‘Melhora muito grande em 15 horas’

O brasileiro afirmou que havia informações sobre a doença autoimune que o atinge no sistema de saúde de Israel, e que quando sua infecção por Covid-19 por notificada ele foi procurado para receber o medicamento da Pfizer, o Paxlovid.

“Chamaram-me e falaram que eu seria o primeiro, não tem muito teste, mas sim uma autorização de emergência, e para mim compensava pelo que eu sentia, febre e dor de garganta, eu tinha medo de parar no hospital”, afirma Neumark.

 

 

São seis pílulas por dia, sendo três pela manhã e três pela tarde. Segundo Neumark, os sintomas melhoraram depois de 15 horas.

Ele afirma que o remédio dá uma sensação de cansaço, mas que os sintomas da Covid-19 desaparecem. “No meu caso clínico, em questão de 15 horas houve uma melhora muito grande. Eu estava com febre de 39.5ºC, que parou; uma dor de garganta forte, que parou, e as enxaquecas pararam. Eu sinto um cansaço, como se fosse uma (recuperação) pós-gripe”.

Ele conta que recebe chamadas do sistema de saúde duas vezes ao dia para ser monitorado, e que em 20 dias ele fará testes de PCR e, se derem negativo, ele estará liberado da quarentena.

 

Pandemia em Israel

 

 

Israel anunciou, nesta quarta-feira (5), que registrou quase 12 mil novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, um novo teto desde o início da pandemia.

 

Segundo dados do Ministério da Saúde, foram registrados 11.978 novos casos desde terça-feira, superando as 11.344 infecções de 2 de setembro de 2021.

 

Como funciona o medicamento

 

O Paxlovid é um antiviral experimental que bloqueia uma enzima que o coronavírus precisa para se replicar. O remédio faz parte de uma classe de medicamentos chamada de inibidores de protease, que revolucionaram o tratamento do HIV e da hepatite C.

O comprimido foi dado aos pacientes junto com uma dose baixa de outro antiviral, esse já conhecido: o ritonavir. Esse segundo remédio ajuda a desacelerar o metabolismo ou a quebra do Paxlovid, para que ele permaneça ativo no corpo por períodos mais longos em concentrações mais altas, para ajudar a combater o vírus.

O ritonavir é também é usado em combinação com o antiviral lopinavir para tratamento do HIV, em um medicamento conhecido como Kaletra. A combinação desses dois antivirais chegou a ser testada em ensaios clínicos da OMS contra o coronavírus, mas foi descartada.